DISCOGRAFIA

08. CANTIGA DE ABRIGO

(Letra e Música de Samuel Úria)

 

Vou esperar contigo.

E, se quiser tardar, o tempo foi meu amigo.

Prendo os ponteiros

Que o teu instante é meigo.

 

Vou mudar contigo.

E se puder escapar, teu corpo é meu abrigo.

Prendo-me ao peito

E em ti me desarraigo.

 

Repreendo a própria vida

Cada dia em que, iludida,

Me extingui a sós comigo

Sem guarida,

Mas sigo

Que em teu refúgio há fogo.

 

Se me chamares, meu nome seja aconchego.

Prendo-te aos braços e o nó que dou é cego.


[x]