DISCOGRAFIA

09. DIVINO FADO

(Letra de José Luís Gordo e Música Tradicional)

 

Minha mãe, eu sou do tempo

Da força que a água tem

Sou do mistério do vento

Que não sabe donde vem

 

Esta voz que canta em mim

Não a canta em mais ninguém

Sou do mistério do fado

Que não sabe donde vem

 

Minha mãe, dá-me o talento

Que só o poeta tem

Que eu sou como o próprio vento

Que não sabe donde vem

 

Minha mãe, do vosso amor

Pouco ou nada quase sei

Sou como a própria flor

Que não sabe donde vem

 

Minha mãe, eu sou do tempo

Da força que o fado tem

Sou do mistério do vento

Que não sabe donde vem


[x]