DISCOGRAFIA

08. NÃO FUI EU

(Letra e Música de Jorge Fernando)

 

O Cristo inerte preso à cruz
A luz da vela que o reduz
À sombra triste na parede entrecortada
Dos lábios solta-se, indulgente
A prece inútil do não crente
Entre palavras que por si não dizem nada

 

Não fui eu
Não fui eu
Não deixei a porta aberta
Não fui eu
Não fui eu
Ficou-me a casa deserta

 

Há como um fugidio rumor
De passos que no corredor
Induzem na minh’alma a dor da esperança vã
Sinais do tempo a humedecer
A voz que teima em enrouquecer
E o corpo dorido pela noite no divã

 

Não fui eu…
Como esta febre me destrói
Perdido amor, quanto me dói
Desceste em mim o cruel manto da tristeza
Em cada noite morro, amor
Que a solidão faz-se maior
Mal amanhece e volta o medo que anoiteça

 

Não fui eu…


[x]